1.23.2013

Pelas doze e quarenta e três

Pelas doze e quarenta e três:


"Escrevo sentada numa mesa de café. O mesmo de sempre, o leite com chocolate o folhado misto prensado. Pura veracidade dos factos. Desta vez não escrevo para ti, uma tristeza enorme assolou a mesa do lado. Discutem baixinho para que ninguém perceba, mas dizem que os olhos não mentem e lá está escrito tristeza. São giros os dois, ficam giros os dois, continuam a discutir baixinho, ela mais que ele. Elas discutem sempre mais que eles.
Acabo por não perceber a minha letra, escrevo num papel da caixa automática perdido na carteira, são mil perdidos na carteira. Não passam de lixo. Dou-me conta que talvez tenha que comprar um bloco, para estas ocasiões, quando a tristeza bate na mesa ao lado. Isto tem que ser notificado.
Todas as tristezas deviam ser devidamente notificadas, sujeitas a multas altíssimas.
E escrevi para dizer isto, com pouca lógica ou propósito.
Agora tenho que ir, precisas da máquina de calcular."


E continuo com tanto, tanto, tanto para fazer.


 





6 comentários:

  1. "Todas as tristezas deviam ser devidamente notificadas, sujeitas a multas altíssimas." <3

    ResponderEliminar
  2. gosto do que escreves. gosto sempre tanto do que escreves.

    ResponderEliminar
  3. Fantásticas fotos. Não só estas.
    Fantásticas letras. Não só estas.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Gosto particularmente deste post!

    Mas só porque tem notificações... ;) ;)

    Beijos!

    ResponderEliminar
  5. Adorei. O texto e sobretudo as fotografias :) Lindas, parabéns!!

    ResponderEliminar

Acerca de mim

A minha fotografia
O meu nome não é Rita Laranja. E gosto de tirar fotografias. amidnightinbuenosaires@gmail.com