9.14.2012

Vamos manter isto simples

Vamos manter isto simples. Vamos.
Não sei bem o que dizer. Não sei, tão pouco, como fazer.
Vamos manter isto simples. Os livros, os livros. Os livros curam almas, saram corações, os livros mudam vidas inteiras. Os livros são prazeres simples.
Gosto de prazeres simples. Gostos dos livros e gosto que os livros me façam bem. Que me curem a alma e me sarem o coração.
Acredito neles. Como acredito em todos os prazeres que derrubam os desprazeres.
Não estou para os desprazeres, fecho-lhes a porta na cara.
Vamos manter isto simples. Vamos aprender. Vamos estudar a simplicidade, vamos andar com ela ao lado.
Eu vou.


Descobri que gosto do número três e dos números acabados em três. Descobri que ainda há muitas coisas para gostar.
Vamos aprender.


 (inspirado, completamente inspirado, aqui.)






17 comentários:

  1. Gosto de coisas simples, mas não simplórias. Gosto de coisas simples quando cumprem a obrigação de serem excelentes: água lisa, pão, vinho, azeite, tomate-coração-de-boi, sal grosso, peixe grelhado.
    E gosto da simplicidade dos vestidos de corte minimalista, dos textos sem rodriguinhos,dos amores e amizades, dos planos de trabalho claros.
    Gosto ainda da inspiração que alguns textos suscitam. Simplesmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Maria sempre a escrever coisas bonitas! Preciso de redescobrir as coisas simples e excelentes. Dei por mim rodeada de coisas simples, simplórias. Dei por mim a deixar-me levar por elas. Ai Ripichi, tenho ainda tanto para aprender.

      Eliminar
  2. Adoro a foto número três, e o número três também. acho que também está na hora de descobrir coisas novas para gostar, e para ajudar a sarar o coração.

    beijinhos beijinhos ***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos mercis Jo!
      (contra mim falo...) mas dizem que o truque é manter-nos ocupadas. Sobre aquilo, de sarar o coração. Dizem, porque eu disso não percebo nada.

      Beijinhos!!

      Eliminar
    2. também sou boa a dizer..agora por em prática, já não é tão bonito. *

      Eliminar
  3. Em Marketing aprendemos a regra do KISS: Keep It Simple... and Stupid :D
    Amei as fotos ♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou adoptar o KSS como o meu lema!! Juro, juradinho! :)) Beijinhos ♥

      Eliminar
  4. Que fotos tão bonitas! E que texto... gosto sempre tanto do que escreves.
    Gosto mesmo. ♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh ♥, querida ana! Como gosto de ler isso. Alegra-me a alma!! Muito muito obrigado!

      Eliminar
  5. Coisas simples acontecem poucas vezes. E não devia ser assim. Por isso, nos dias em que acontecem coisas simples em quantidade invulgar, sinto o dever - nem sempre cumprível - de as registar. Para as reviver com as demoras que as palavras escritas proporcionam.
    Ontem fiz essa simples actividade que é uma caminhada pela floresta.

    Foram os efeitos da luz ao longo das horas: em jorro sobre os fetos, a espreitar pelas copas do arvoredo, a aparecer inesperadamente nos musgos e pedras semi-soterradas debaixo de arbustos.
    Foi o falar às tirinhas,acompanhamento próprio da apanha de amoras e de mirtilos: «que negras! que madurinhas! que bonitas estas pérolas azuis no meio do verde! tão poucos, este ano! deve ter sido da falta de chuva... tantas amoras! vou dizer ao teu pai que já namoras... o arbusto é tão delicado! Deve ser infestante, está por todo o lado, é como os fetos. Parece ter algum contrato secreto com eles ou será apenas partilha de habitat? isto é viciante! pronto, não apanho mais nenhum.... só mais aquele talude. Já estou outra vez no vício»...
    Foi a alegria dos cães: corridas atrás de animais selvagens reais e talvez imaginários, dança de caudas, olhos líquidos a sorrir, impaciência pela espera, línguas de fora.
    Foi um ar cálido com súbitas brisas, leves como écharpes esvoaçantes.
    Foram os prazeres ancestrais da recolha de frutos silvestres, do cheiro do húmus já a prometer cogumelos.
    Foram as mãos roxas e pegajosas do açúcar dos frutos, lavadas na fonte fria, as pernas doridas, os olhos esforçados da perscrutação miúda.
    Foi a sensação absoluta de horas sem peso.
    Obrigada, Rita, por me ter levado ao prazer de abrir a recordação fresca destas coisas simples.

    ResponderEliminar

Acerca de mim

A minha fotografia
O meu nome não é Rita Laranja. E gosto de tirar fotografias. amidnightinbuenosaires@gmail.com